quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Do lado de cá

Do lado de cá, o mar é mais bonito
Porque no seu reflexo vejo a memória de um casal apaixonado
que reverencia a noite de uma lua magnífica
do lado cá o mar arrancou camadas de folhagens
que estava grudada nos pés de alguém que devastou uma floresta selvagem
de alguém surrado que não confia na sinceridade
o mar banhou e foi banhado com lágrimas de casais separados
que antes do fim batizavam –se dentro dele com abraços eternos
e futuros amores, frutos de flores ainda em sementes
do lado de cá o mar é mais bonito
porque re-existe no movimento na transição
nunca fica duro é maleável por natureza
e além de tudo o seu tempo contamina a quem quer descobrir-se
talvez seja o mar um mestre do amor
fazendo sentir você em mim
mesmo sabendo da sua dureza
da sua confusão
e falta de compreensão
o mar ainda me ensina ouvir tua voz
e contentar-se
fazendo dela o prazer mais possivel
pro momento de te ter
tomara que esse mar
te prove em banhos
o passo que deu em falso
escorregando de mim
pássaro arredio
e quanto a tua mágoa
faça dela um laço e embrulhe em presente pra mim
deixe ela encontrar sua origem
e doer só em mim
do lado de cá o mar ainda é mais bonito
mesmo revolto!
mesmo revolto ...

OS ONTENS




Quero vomitar os homens que traguei beijando nos ontens
não que me arrependesse de beija-los
mas é que depois de beija-los
é como se precisasse arranca-los de mim com as próprias mãos
e cada vez que puxasse um a um com a unha cravada no peito
tentando romper qualquer inicio de história ou qualquer possibilidade de história
ao invés de fazer passar a dor ela tomasse conta de mim junto com fortes enjoos
sendo sempre assim estes dias depois dos ontens
de ter que fingir não querer prolongar
nesse jogo de...ter esquecer
não consigo esquecer
que eu ainda quero ser: Bem amada.